Desde o início da pandemia a McKinsey & Company, líder mundial no mercado de consultoria empresarial, tem divulgado uma série de pesquisas globais que expõe as mudanças de comportamento, investimentos e expectativas das empresas em todo o mundo. Em maio de 2020, eles divulgaram que a participação do comércio eletrônico representou 62% no total do  faturamento das empresas B2B no Brasil (sendo apenas 38% do faturamento através de canais físicos). Um aumento de 46% em comparação com o período pré-pandemia – o maior crescimento entre os países pesquisados. E mais, a pesquisa também mostra que o Brasil fica atrás apenas da Coréia do Sul, França e Itália na participação do comércio eletrônico na receita total das empresas B2B nesse período.

Foi uma tendência global, com a pandemia, a realização de cortes em orçamentos de marketing e o investimento priorizado em canais digitais para atendimentos e pedidos dos clientes B2B. Nos Estados Unidos, aumentou em 30% a interação dos compradores B2B pelos canais digitais, segundo a própria McKinsey. Inclusive, a realização de pedidos de compra por aplicativos móveis das empresas B2B aumentou até 250%. E não é só isso: todo o processo dos compradores até a conversão digitalizou – reuniões remotas, pesquisas nas redes sociais dos fornecedores, negociação por aplicativos de mensagens etc.

Ainda no ano passado, a estimativa da ABCOMM (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) era que o canal B2B movimentasse mais de R$ 106 bilhões no ano somente através do comércio eletrônico – valor correspondente a 1,51% da previsão do PIB para 2020.

Em suma: nessa nova realidade em que a venda B2B digital virou regra e está trazendo resultados espetaculares (em todos os países, inclusive no Brasil), não ter canais digitais eficientes e ágeis junto a seus clientes é atestar uma breve falência – ou, não sendo tão drástico, se assumir como obsoleto frente à concorrência.

Se sua empresa B2B ainda não possui canais digitais para atendimento e venda, corra! O mindset dos seus clientes mudou, o go-to-market do negócio é oficialmente digital – e esse novo modelo veio para ficar: 79% das empresas dizem que irão manter esse modelo no pós-pandemia.

Implementar uma loja virtual para o B2B é bem mais complexo do que no mercado varejista. É fundamental se aliar a um parceiro com expertise no assunto e que ofereça uma solução completa, intuitiva e unificada: que em um mesmo sistema você possa ter a gestão dos seus itens, pricing, parametrização fiscal, personalização de perfis de clientes para atendimento customizado, gerenciamento de estoque sem sufocos, entre outros. A Bem Informática oferece soluções que se adequam à realidade do seu negócio B2B, dando a devida importância à experiência do usuário (clientes e equipe) e processo de implementação, resultando na facilitação na tomada de decisão por parte dos gestores. Entre em contato e vamos analisar juntos a melhor solução para a sua empresa.

2 comentários

Deixe uma resposta